Pular para o conteúdo principal

Vocês sabem o que é patrimônio inteligente?

 Vocês sabem o que é patrimônio inteligente?

O conceito de Smart Heritage City (SHCITY,2018), segundo a organização europeia,  trata-se de:  “um projeto do programa Interreg Sudoe que abordará o desafio inovador de criar uma ferramenta única de código aberto para gestão de centros urbanos históricos e facilitar o trabalho das autoridades competentes na tomada de decisões”.

O grupo de pesquisa arquitetura e lugar da UFCG deu início, desde 2021, ao trabalho com esse conceito patrimonial e inovador que usa as tecnologias digitais para os estudos dos bens culturais.

Estamos aplicando na pesquisa sobre o Pátio ferroviário da Estação Nova de Campina Grande, Paraíba.


As imagens captadas por droner monitorado pelo Dr. Adolfo Lino em 2021, mostram um pouco das pesquisas que estamos realizando na área.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casa Miguel Vita, Recife. 1958: Documentação e arquitetura

Esta postagem visa socializar o material documental produzido por mim,  arquiteta, e professora Dra. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, que entre 2002 a 2006, realizei minha tese doutoral no Departamento de projetos arquitetônicos da ETSAB/UPC-Barcelona,  e analisei esta obra, entre outras, para minha tese de doutorado sobre a consolidação da arquitetura moderna em Recife, nos 50 (Afonso,2006).                               Vista da fachada principal e lateral direita(nordeste). Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004 . Torna-se necessário difundir tal pesquisa, considerando que recentemente, entre os dias 3 e 4 de outubro a  Casa Miguel Vita foi abruptamente demolida , nos restando agora, apenas a documentação produzida para a salvaguarda da memória arquitetônica do bem. Conclui recentemente um artigo sobre a obra a ser publicado em breve- na Revista Mnemosine, do programa de pós-graduação em história da UFCG, que fará parte de u

Hugo Marques em Campina Grande_ Casa José Felinto

                                                                                                    Texto: Dra. Alcilia Afonso HUGO MARQUES Sobre a biografia do arquiteto-licenciado carioca, mas radicado em Recife, Antiocho Hugo de Azevedo Marques, conhecido como Hugo Marques, sabe-se ainda muito pouco. Segundo pesquisas realizadas no arquivo do CAUBR/Conselho de arquitetura e urbanismo- Marques nasceu no Rio de Janeiro, em 4 de abril de 1924, graduou-se na ENBA, e em 23 de julho de 1954, foi registrado no CREA. Desenvolveu uma série de projetos em Recife nesta  época, sendo responsável por obras significativas como a histórica e turística Casa Navio (anos 40 do séc.XX)- demolida; a Residência da família Rozemblitz(1958), edifícios como o Igarassu, Almare (1945), Almare anexo(1950), entre outros.  Sua trajetória na cidade de Campina Grande foi de grande importância, conforme escreveu MEIRA E AFONSO (2016), pois se pode afirmar que ele foi um dos precursores em projetos de edifícios

Art Déco em Campina Grande

Texto: Alcilia Afonso Essa postagem tratará de uma breve introdução sobre o estilo Art Déco encontrado em Campina Grande, que compõe um rico acervo arquitetônico estudado por vários autores que se aprofundaram sobre o tema, como Lia Rossi(2010) e Marcus Queiroz(2008). Para quem se interessar sobre o tema, há também um artigo escrito por AFONSO e ARAÚJO(2015) que explora esta linguagem na cidade de Campina Grande. Esclarecendo o conceito: Art Déco e a protomodernidade.   A linguagem Déco foi uma tendência francesa que surgiu devido a um movimento internacional de design, destacando-se no período de 1925 a 1939, se estendendo pelas artes decorativas, arquitetura, design de interiores e desenho industrial, assim como nas artes visuais, na moda, na pintura, nas artes gráficas e cinema. Pode-se afirmar que, de certa maneira, misturou diversos estilos e movimentos, tais como, o construtivismo, o cubismo, Bauhaus, Art Nouveau, o modernismo e o futurismo.