Pular para o conteúdo principal

Casa Miguel Vita, Recife. 1958: Documentação e arquitetura

Esta postagem visa socializar o material documental produzido por mim,  arquiteta, e professora Dra. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, que entre 2002 a 2006, realizei minha tese doutoral no Departamento de projetos arquitetônicos da ETSAB/UPC-Barcelona,  e analisei esta obra, entre outras, para minha tese de doutorado sobre a consolidação da arquitetura moderna em Recife, nos 50 (Afonso,2006).

                           

 Vista da fachada principal e lateral direita(nordeste). Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.

Torna-se necessário difundir tal pesquisa, considerando que recentemente, entre os dias 3 e 4 de outubro a Casa Miguel Vita foi abruptamente demolida, nos restando agora, apenas a documentação produzida para a salvaguarda da memória arquitetônica do bem.

Conclui recentemente um artigo sobre a obra a ser publicado em breve- na Revista Mnemosine, do programa de pós-graduação em história da UFCG, que fará parte de um dossiê tratando de arquitetura, cidade e documentação.

Portanto, esclareço que as imagens aqui postadas são creditadas a mim e ao meu colaborador /pesquisador Ivanilson Pereira- que realizou os estudos tridimensionais baseados no redesenho em Autocad, que eu havia feito em 2004. Para o uso de tais imagens reforço a necessidade dos devidos créditos, a fim de evitar problemas de direitos autorais.

Irei colocar aqui, breves informações sobre a Casa Miguel Vita e quem desejar se aprofundar mais sobre a obra, entre em contato comigo, e repassarei aqui meus artigos e tese para leitura sobre a obra.

A casa foi projetada pelo arquiteto Delfim Amorim, com a colaboração do arquiteto Armindo Leal, para a família do industrial Miguel Vita, no ano de  1958, no bairro de Casa Forte, em Recife, Pernambuco e  foi demolida no início do mês de outubro de 2020.

Era considerada um dos mais significativos exemplares da produção moderna residencial pernambucana, com influência da Escola Carioca, adotando soluções do vocabulário arquitetônico dos arquitetos como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Jorge Moreira, entre outros.

Para saber mais:

AFONSO, Alcilia. Casa Miguel Vita, Recife. 1958: Resgate do patrimônio moderno através da documentação. Revista Mnemosine. Dossiê de documentação de arquitetura e cidade. 2020 (em edição)

AFONSO, Alcilia.  Arquitetura do sol. Soluções climáticas produzidas em Recife nos anos 50. Arquitextos, São Paulo, ano 13, n. 147.00, Vitruvius, ago. 2012 <https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/13.147/4466>.2012. Acesso em 17 de outubro de 2020.

AFONSO, Alcilia. La consolidación de la arquitectura moderna en Recife en los años 50 en Recife.    Tese doutoral apresentada ao Departamento de projetos arquitetônicos da ETSAB/UPC. Barcelona. 2006.


Ficha técnica:

Pesquisa documental: Alcilia Afonso. 2002/2020

Redesenhos em Autocad: Alcilia Afonso/2004

3ds:Ivanilson Pereira baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.

Fotos: Alcilia Afonso/2004


                                                         Redesenhos em Autocad


                       Planta de locação e cobertura. Fonte: Redesenho de Alcilia Afonso.2004



                       Planta baixas dos níveis.  Fonte: Redesenho de Alcilia Afonso.2004


                                                Cortes. Fonte: Redesenho de Alcilia Afonso.2004



  Estudo das fachadas. Fonte: Redesenho de Alcilia Afonso.2004



Reconstrução Virtual para estudos arquitetônicos


Reconstrução virtual das fachadas.  Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.




Vista da fachada noroeste e sudoeste. Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.




Estudos tectônicos da obra_ a estrutura e a cobertura

Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.


 Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004.



                                         Resgate fotográfico da Casa Miguel Vita

Fonte:  Alcilia Afonso. 2004.



Fonte:  Alcilia Afonso. 2004.


Fonte:  Alcilia Afonso. 2004.


 


 



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Arquitetura no nordeste brasileiro_ Livros publicados por Alcilia Afonso

Resgate da produção bibliográfica da professora e arquiteta Dra. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, Kaki, desde 2002 até o momento, atualizado em janeiro de 2021. Revolução na arquitetura: Recife, década de trinta. Intervenções do estado sobre a arquitetura e o espaço da cidade de Recife. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo Teresina. Edufpi: 2002. AF ONSO, ALCILIA. Revolução na arquitetura: Recife, década de 30 . ISBN 8574630373. Teresina: EDUFPI. 2001 . O livro trata da história da implantação da arquitetura moderna na cidade de Recife, Pernambuco, nordeste brasileiro- analisando a ingerência do Estado nesse processo, durante a gestão de Carlos de Lima Cavalcanti (1930-1937), que adotou como ordem política, a utilização do ideário moderno nos projetos arquitetônicos estaduais, através da montagem de uma equipe de projetos liderada pelo arquiteto mineiro Luiz Nunes. A proposta é contrapor arquitetura/cidade; arquitetura/política procurando relacionar os diversos

Hugo Marques em Campina Grande_ Casa José Felinto

                                                                                                    Texto: Dra. Alcilia Afonso HUGO MARQUES Sobre a biografia do arquiteto-licenciado carioca, mas radicado em Recife, Antiocho Hugo de Azevedo Marques, conhecido como Hugo Marques, sabe-se ainda muito pouco. Segundo pesquisas realizadas no arquivo do CAUBR/Conselho de arquitetura e urbanismo- Marques nasceu no Rio de Janeiro, em 4 de abril de 1924, graduou-se na ENBA, e em 23 de julho de 1954, foi registrado no CREA. Desenvolveu uma série de projetos em Recife nesta  época, sendo responsável por obras significativas como a histórica e turística Casa Navio (anos 40 do séc.XX)- demolida; a Residência da família Rozemblitz(1958), edifícios como o Igarassu, Almare (1945), Almare anexo(1950), entre outros.  Sua trajetória na cidade de Campina Grande foi de grande importância, conforme escreveu MEIRA E AFONSO (2016), pois se pode afirmar que ele foi um dos precursores em projetos de edifícios