Pular para o conteúdo principal

Soluções projetuais para população da baixa renda


Faremos uma live no próximo dia 14 de maio, às 19h no intagran.

Para acompanhar acessem o instagran de @kakiafonso ou de @julianaalmeida22


A pauta tratará dos temas:

APRESENTAÇÕES

1_Projetar para quem? O papel do arquiteto e uma Arquitetura social.

2_ A Relação necessária entre saber arquitetônico e urbanismo. O diálogo com outros saberes interdisciplinares.

3_ A Busca de referências na história da arquitetura ( Bonduki) _ pontos positivos e negativos

4_ Experiências brasileiras: os modernos dos anos 50 a 60(Cidade dos motores, conjuntos habitacionais + Grupo Arquitetura Nova /Sergio Ferro, Flávio Império e Rodrigo Lefévre) +  entre outros)

5_ O Ensino de projetos + canteiros experimentais

4_Mercado de trabalho: o trabalho de assistência técnica para HABIS. Tipologias habitacionais + escolas + postos sanitários+ postos policiais+ lazer

5_ Atuação profissional: Melhorias habitacionais+ reformas+ retrabalhar o espaço privado e público.

Fechamento


BIBLIOGRAFIA DE APOIO


ARANTES, Pedro Fiori. Sérgio Ferro, Flávio Império e Rodrigo Lefévre: de Artigas aos mutirões. São PAULO: Editora 34. 2002.

FERRAZ, Marcelo; LATORRACA, Giancarlo. (org). Lelé: João Filgueiras Lima. Lisboa: Editora Blau. Instituto Lina Bo Bardi e P. M. Bardi. 2000.

GRAEFF, E.A. Arte e técnica na formação do arquiteto. São Paulo: Studio Nobel, 1995.

LEITE, Maria Amélia D. F. D´A . A aprendizagem tecnológica do arquiteto. São Paulo: USP, 2005. 366p. Tese (Doutorado em Tecnologia da Arquitetura) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

KOURY, Ana Paula. Grupo Arquitetura Nova. Flávio Império, Rodrigo Lefévre e Sérgio Ferro. São Paulo: Romano Guerra Editores. Edusp. 2003.

LATORRACA, Giancarlo; RISSELADA, Max. (org). A arquitetura de Lelé: fábrica e invenção. São Paulo: Imprensa oficial do estado de São Paulo e Museu da Casa Brasileira. 010

 LEITE, Maria Amélia D. F. D´A. O Ensino de Tecnologia em Arquitetura e Urbanismo, Dissertação de Mestrado, FAUUSP, São Paulo, 1998.

LOPES, João Marcos de A. e  LIRA, José T. Memória, trabalho e arquitetura.CPC.N.3.sp:edusp.2013

LOTUFO, Tomaz Amaral.  Um novo ensino para outra prática: Rural studio e canteiro experimental. São Paulo: FAUUSP, 2014.

LOTUFO, Vitor Amaral. Reflexões sobre o canteiro experimental. In: RONCONI, R.L.N. et al. (orgs). Canteiro experimental: 10 anos na FAUUSP. São Paulo: FAUUSP, 2008. Capítulo 2.8, p.52-54.

RONCONI, R.L.N. et al. (orgs). Canteiro experimental: 10 anos na FAUUSP. São Paulo: FAUUSP, 2008.

VILLÁ,Joan. Canteiro experimental: prática  ou invenção? Aedifcandi.Revista de arquitetura e construção.vol1.n.2.2006

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arquitetura no nordeste brasileiro_ Livros publicados por Alcilia Afonso

Resgate da produção bibliográfica da professora e arquiteta Dra. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, Kaki, desde 2002 até o momento, atualizado em janeiro de 2021. Revolução na arquitetura: Recife, década de trinta. Intervenções do estado sobre a arquitetura e o espaço da cidade de Recife. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo Teresina. Edufpi: 2002. AF ONSO, ALCILIA. Revolução na arquitetura: Recife, década de 30 . ISBN 8574630373. Teresina: EDUFPI. 2001 . O livro trata da história da implantação da arquitetura moderna na cidade de Recife, Pernambuco, nordeste brasileiro- analisando a ingerência do Estado nesse processo, durante a gestão de Carlos de Lima Cavalcanti (1930-1937), que adotou como ordem política, a utilização do ideário moderno nos projetos arquitetônicos estaduais, através da montagem de uma equipe de projetos liderada pelo arquiteto mineiro Luiz Nunes. A proposta é contrapor arquitetura/cidade; arquitetura/política procurando relacionar os diversos

Casa Miguel Vita, Recife. 1958: Documentação e arquitetura

Esta postagem visa socializar o material documental produzido por mim,  arquiteta, e professora Dra. Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, que entre 2002 a 2006, realizei minha tese doutoral no Departamento de projetos arquitetônicos da ETSAB/UPC-Barcelona,  e analisei esta obra, entre outras, para minha tese de doutorado sobre a consolidação da arquitetura moderna em Recife, nos 50 (Afonso,2006).                               Vista da fachada principal e lateral direita(nordeste). Fonte: 3D de Ivanilson Pereira 2020, baseado em redesenho em Autocad de Alcilia Afonso. 2004 . Torna-se necessário difundir tal pesquisa, considerando que recentemente, entre os dias 3 e 4 de outubro a  Casa Miguel Vita foi abruptamente demolida , nos restando agora, apenas a documentação produzida para a salvaguarda da memória arquitetônica do bem. Conclui recentemente um artigo sobre a obra a ser publicado em breve- na Revista Mnemosine, do programa de pós-graduação em história da UFCG, que fará parte de u

Hugo Marques em Campina Grande_ Casa José Felinto

                                                                                                    Texto: Dra. Alcilia Afonso HUGO MARQUES Sobre a biografia do arquiteto-licenciado carioca, mas radicado em Recife, Antiocho Hugo de Azevedo Marques, conhecido como Hugo Marques, sabe-se ainda muito pouco. Segundo pesquisas realizadas no arquivo do CAUBR/Conselho de arquitetura e urbanismo- Marques nasceu no Rio de Janeiro, em 4 de abril de 1924, graduou-se na ENBA, e em 23 de julho de 1954, foi registrado no CREA. Desenvolveu uma série de projetos em Recife nesta  época, sendo responsável por obras significativas como a histórica e turística Casa Navio (anos 40 do séc.XX)- demolida; a Residência da família Rozemblitz(1958), edifícios como o Igarassu, Almare (1945), Almare anexo(1950), entre outros.  Sua trajetória na cidade de Campina Grande foi de grande importância, conforme escreveu MEIRA E AFONSO (2016), pois se pode afirmar que ele foi um dos precursores em projetos de edifícios